Diretora administrativa: Rosane Michels
Domingo, 24 de Março de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Nascem estrelas no fim do andar
Data:04/07/2018 - Hora:08h46

Numa das mais belas e tocantes metáforas do ato de viver, a Bíblia nos diz que “breve e triste é a nossa vida”, que “nós nascemos do acaso e logo passaremos como quem não existiu” e que, “com o tempo, nosso nome cairá no esquecimento e ninguém se lembrará de nossas obras.” Nós, escritores, temos a ilusão de vencer esses limites. Por isso, os acadêmicos chamam-se a si mesmos imortais. Mas o que torna ou não imortais os escritores são suas obras, não eles! De todo modo, depois da partida para o mistério insondável do post mortem, restam a obra e a memória, às vezes eternas, de termos sido uma boa companhia no convívio entre os pares, como pessoa ou como livro, num mundo que de algum modo sempre segrega os escritores.

Vivemos todos em campos de concentração. Cabe-nos torná-los menos hostis, já sabendo de antemão que, às vezes, somos nós os nossos principais inimigos, lutando uns contra os outros, sem a generosidade das almas modestas e negando a quem discrepa de nós o direito à discordância. Do contrário, de que valerão os endossos? Somos obrigados a dizer sempre sim, a todos os livros e autores, e se divergirmos seremos tomados como censores.

Todos morreremos um dia, esta é a única certeza que temos. Defunctus quer dizer pronto em latim. Mas quem decide qual é a hora em que estamos prontos? Irrompe, misteriosa, repleta de sutis complexidades e contextos jamais imaginados, a fúria dos acasos. Essas reflexões surgiram quando tive os sentimentos desarrumados pelas mortes de Alberto Dines e Philip Roth. Eles foram e serão doravante, ainda com mais intensidade e maior alcance – duas referências solares das literaturas brasileira e americana, notadamente, ao retratarem e ao dissecarem a condição humana. Foram tão grandes que, não encontrando espaço suficiente em tantos desertos, fundaram seus próprios oásis, modelando nas areias o paradoxo de nosso tempo.

Nos territórios preferenciais de suas atuações, eles souberam conciliar caminhos que se bifurcam: a criação própria de suas lavras, e outros textos, de lavra alheia. Nas duas fontes sempre buscaram a boa água. Tudo passa, e passou isso também. Agora tenhamos de despedida versos como que seguem de Mário Quintana: “Quando eu for, um dia desses,/ Poeira ou folha levada/ No vento da madrugada,/ Serei um pouco do nada/ Invisível, delicioso/ Que faz com que o teu ar/ Pareça mais um olhar,/ Suave mistério amoroso,/ Cidade de meu andar/ (Deste já tão longo andar!)/ E talvez de meu repouso...” ***___Rubens Shirassu Júnior, escritor e pedagogo de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (ensaios e artigos, 2011) e Sombras da Teia (contos, 2017)




fonte: Rubens Shirassu Júnior



anuncie AREEIRA anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
zoom
High Society
No rol dos aniversariantes hoje o médico Rodrigo Perez, que comemora a data envolto ao carinho da família e amigos. Que seu coração esteja sempre em festa, porque você é um ser de luz e especial para muitos. Parabéns que possa ter muitos anos de vida, saúde e prosperidades. Em tempo parabenizamos Ana Maria da Silveira Lima pela passagem de seu natalício. Que a vida continue sorrindo e presenteando você com as melhores graças, com muito amor, amizade e felicidades mil. De volta a city o jornalista e músico Daniel Alves de Macedo, que após longos dia em São Paulo retornou a Princesinha. Seja bem vindo!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados