Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
A mesma forma social
Data:09/11/2017 - Hora:08h39

Gilberto Freyre, sociólogo, conta que, embora já tivesse a ideia de um livro sobre a formação brasileira, foi durante a sua passagem pela África, a caminho do exílio na Europa, em 1930, que a ideia ficou nítida. A obra começou a ser escrita durante a época em que, na qualidade de professor-visitante da Universidade de Stanford, mas, no Recife, Casa Grande & Senzala foi concluído. “Um livro que responde àquela ânsia de se descobrir como brasileiro, de descobrir um Brasil que ninguém ainda tinha me explicado satisfatoriamente. Faltava-me uma explicação em profundidade do Brasil. Este livro representa um homem a se autobiografar através do seu próprio povo: pessoal e coletivamente.” Casa Grande & Senzala não interpreta apenas o Nordeste, mas todo o Brasil, quando diz que a casa-grande do Nordeste açucareiro, “símbolo da primeira sociedade estável do Brasil, transferiu-se depois para outras regiões, para outras culturas regionais e econômicas. Mas a forma social será sempre a mesma. Toda civilização do café, tão importante foi uma transferência da casa-grande do Nordeste açucareiro para o Brasil cafeeiro, que não é só paulista, mas fluminense e, também, paranaense. O fenômeno se repete ainda no Brasil quanto à estância, porque há uma casa-grande patriarcal também na fazenda de gado”. Em torno de sua ideia básica desenvolveram-se todos os que se seguiram, na linha de interpretação sociológica da formação da sociedade brasileira. Considero a mucama, por exemplo, o primeiro grande tipo de mulher produzida pela civilização brasileira, ao lado da sinhazinha – mucama, porque era um tipo de brasileira bonita e sobrecarregada de jóias, pois era por meio dela que o senhor da casa-grande ostentava a sua riqueza. A mucama era mais fácil de ser exposta que a sinhazinha, mais resguardada.” Ora, esse tipo de mulher adornada, que era africana ou semiafricana, é um produto de senzala aristocratizada pelo livro. De modo que essas duas influências estiveram sempre presentes. São modelos para o Brasil, clássicos, de dois tipos de beleza de mulher a se completarem. O que não posso é satisfazer aos meus críticos, deixando de reconhecer a importância da casa-grande, para dizer demagogicamente: que pena a senzala não ter sido maior que a casa-grande. Não podia ter sido. A civilização que o Brasil desenvolveu é predominantemente européia, embora felizmente não o seja de forma exclusiva. A grande glória da nação é ter dado ao negro vindo da senzala a possibilidade de se exprimir. Como se exprime, por vezes, aristocraticamente e africanizando, a

cultura brasileira nas suas formas básicas.

Em Casa Grande & Senzala as duas palavras convivem lado a lado, compondo uma Nação conflitante em seus jogos de interesse, recalcado e integrado. Feixe de paradoxos que se mistura, abastarda, enriquece e relata o processo de evolução social do Brasil, que recria as imagens de um passado marcado pela colonização portuguesa. Uma união marcada pelo conflito e pelo desequilíbrio. Uma história da realidade do País, que pretende analisar a formação patriarcal, principalmente no Norte e Nordeste, e mostrar como se processaram as relações entre os brancos e as chamadas “raças de cor”.  ***___Rubens Shirassu Júnior, escritor, poeta e pedagogo, de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (1980-2010, ensaios e artigos, 2011)




fonte: Rubens Shirassu Júnior



JBA anuncie AREEIRA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
Multivida
High Society
Parabéns e muitas felicidades  a Gabriel Neves, que comemorou mais um aniversário.  Que hoje e sempre não falte a Saúde, a paz e o amor.Feliz aniversário! Destaque VIP ao casal Vicente Da Silva e Filomena Alcântara, que celebraram Bodas de Granizo. São 48 anos de companheirismo, amor e respeito. Nossos votos que essa união perdure para sempre  e que os dias passem devagar para que os momentos juntos se eternizem. Felicidades!!! Figa para as gêmeas Branda e Agatha, que fazem a alegria da mamãe Lívia e dos vovós corujas Claudionor Duarte e Claudia Vilela. É muito amor envolvido. Que elas cresçam com muita saúde são os nossos desejos.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados