Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
CANOPUS
Os dias continuam assim
Data:14/06/2017 - Hora:07h32

 

A arapongagem no Brasil está em alta, em um curto período de tempo, foram detectadas duas arapongagens no mínimo comprometedoras, a primeira,  infelizmente aconteceu  em nosso Estado, através de denúncias feitas pelo ex-secretário de Segurança Pública do estado o senhor Mauro Zaque;  que a Polícia Militar montou um esquema para fazer com que a justiça autorizasse a grampear diversas pessoas por motivações políticas. O segundo caso, o mais escabroso, vem de uma publicação bombástica da revista Veja, dando conta de que, o presidente Michel Temer teria determinado que a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) fizesse uma devassa na vida do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

São duas denúncias gravíssimas, que acabaram abalando a tão sonhada democracia, a partir do que preconiza a nossa Carta Magna de 1988, que proibiu a inviolabilidade das comunicações telefônicas, salvo nos casos  de investigação de crime e devidamente autorizado pelo Juiz, o mesmo foi regulamentado pela Lei 9296/96, a partir do advento dessa lei, tornou-se possível interceptação  telefônica quando houver indícios de participação em crimes, não fala que gestores públicos tanto na esfera: Municipal, Estadual ou Federal possam fazer escutas telefônicas clandestinas, na vida pessoal de alguns cidadãos.  

No primeiro caso ocorrido em nosso Estado, à denúncia proferida pelo ex-secretário de Segurança Pública, Mauro Zaque, que faz menção a um jargão muito utilizado para interceptação telefônica conhecida como “barriga de aluguel”; segundo a fala do ex-secretário a Polícia Militar dava apelidos a quem pretendia grampear e informava ao Juiz do caso, que o inquérito tratava-se de uma quadrilha de traficantes de drogas, entre os números, eram inseridos telefones de políticos, jornalistas e por ai vai.  

No segundo caso mais emblemático e recente. Segundo reportagem da revista Veja, a arapongagem, teria partido de o presidente Michel Temer, que  determinou  a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN),  fizesse uma devassa na vida do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Nesse episódio nefasto e vergonhoso, as opiniões se divergem, porém a presidente do STF ministra Carmem Lúcia disse que a prática  é “própria de ditaduras” e que, se comprovada à ocorrência de devassa “as consequências jurídicas, política e institucionais terão a intensidade do gravame cometido, como determinado pelo direito”.

O procurador-geral da República Rodrigo Janot, também teceu comentários, acerca do emblemático grampo praticado pela (ABIN) a mando do presidente da República Michel Temer, ele diz “o desvirtuamento do órgão de inteligência fragiliza os direitos e as garantias de todos os cidadãos  brasileiros, previstos na nossa Constituição da República e converte o Estado de Direito, ai sim, em Estado Policial”.

A arte imita a vida, na supersérie “Os Dias Eram Assim”, retrata o período da ditadura militar no Brasil, ocorrido entre 1964 e 1985, este acontecimento nefasto e repugnante, gostaríamos que se tornasse insólito; uma vez que deixou uma ferida aberta e recente na sociedade.

A teledramaturgia utiliza de diversas formas, para retratar a história de extrema violência e repressão da época, momento em que, a arapongaem era um dos instrumentos mais utilizados pela ditadura militar como forma de repressão, aberta e vil, não queremos que tal experiência possa voltar.

Pare o mundo, quero descer!

Professor Licio Antonio Malheiros é geógrafo (liciomalheiros@yahoo.com.br)




fonte: Professor Licio Antonio Malheiros



LAB. LIDER anuncie AREEIRA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
zoom
High Society
Arquivo Enviado com Sucesso Agradecemos a visita dos alunos da turma do sétimo ano da Escola Estadual União e Força, que ontem passaram a manhã aprendendo o processo de confecção de um jornal impresso e conhecendo também um pouco da história que cerca os 55 anos de sua existência. A visita é parte do projeto desenvolvido pela escola. Obrigada, estamos sempre a disposição.  Ernani Luiz Ladeia Segatto completou mais um ano de vida, na oportunidade recebeu os parabéns dos familiares e amigos. Que essa data se reproduza por muitos anos são os nossos votos.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados