Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
CANOPUS
REFIS Federal para aliviar a crise
Data:09/06/2017 - Hora:11h07

Não foi o REFIS esperado, muito menos aquele que foi propagado como o melhor da história do Brasil, mas perto do parcelamento contido na Medida Provisória 766/17, o chamado PRT (Programa de Regularização Tributária), a nova alternativa do Governo Federal se assemelha a um sonho em meio a crise.  

O Programa “Especial” de Regularização Tributária, o PERT instituído pela Medida Provisória 783, de 31 de maio de 2017, confere opções aos contribuintes, tanto pessoas físicas como jurídicas, para a liquidação de obrigações junto à Receita Federal e PGFN. 

A vantagem do Programa é a possibilidade de serem incluídos todos os débitos de natureza tributária e não tributária vencidos até 30 de abril de 2017, já parcelados ou não, ou ainda, em discussão administrativa ou judicial. Ou seja, o PERT é amplo para regularizar a vida dos contribuintes endividados. 

A adesão ao PERT implica confissão da dívida, aceitação das condições do Programa e o dever de pagar em dia as parcelas do PERT. Vale dizer, é condição para manter-se no Programa a adimplência fiscal total, passada, presente e futura. 

Criou-se ao PERT, como novidade a obrigação dos contribuintes estarem em dia com suas obrigações junto ao FGTS.  Objetivamente, as condições de pagamento dos débitos perante a Receita Federal e PGFN são muito parecidas. 

As alternativas incluem entrada de 20% da dívida consolidada, sem redução, para montantes superiores a R$ 15 milhões de reais e 7,5% para valores menores. Estas entradas podem ser liquidadas em 5 parcelas de agosto a dezembro de 2017. 

Algumas opções se abrem para liquidar as pendências. Dentre elas: a utilização de créditos de prejuízo fiscal, base de cálculo negativas de CSLL, ou ainda, outros créditos tributários próprios do contribuinte, pagamento do saldo remanescente após a entrada, à vista, em janeiro de 2018, com 90% de redução de juros e 50% das multas; parcelamento do remanescente em 145 parcelas, com redução de 80% dos juros e 40% das multas; e parcelamento do saldo em 175 parcelas com redução de 50% dos juros e 25% das multas, sendo cada parcela calculada à razão de 1% da receita bruta do mês anterior ou 175 avos da dívida total, a que for maior. 

Sem a entrada dos 20%, previu a MP o parcelamento em 120 prestações, com parcelas de 0,4% da dívida consolidada no primeiro ano, 0,5% no segundo e 0,6% no terceiro ano, devendo o saldo final ser liquidado em até 84 prestações. Nesta alternativa não é concedida qualquer redução de multa e juros. 

No caso de débitos junto à PGFN, as possibilidades de utilização de créditos de prejuízos fiscais e bases negativas não existem, mas para dívidas até 15 milhões tem possibilidade de quitação do crédito tributário com imóveis, conforme normatização específica que demanda avaliação do bem a aceitação por parte do fisco. Os encargos legais, inclusive honorários advocatícios foram reduzidos em 25% em todas as modalidades. 

Os débitos incluídos no PERT não poderão ser objeto de parcelamento posterior, apenas o reparcelamento convencional cuja adesão demanda novo pedágio, sem prejuízo da recomposição da dívida retirando-se os benefícios concedidos. 

Bens que já garantem dívidas em processos não serão liberados até quitação total do programa. O prazo máximo de adesão estipulado pela MP é 31 de agosto de 2017, sendo aguardada regulamentação da Receita Federal e PGFN para os próximos dias. 

Em nossa avaliação, talvez a crise impulsione o PERT pela necessidade de regularização imediata dos contribuintes, todavia é inegável que as pesadas entradas para que estes possam fazer jus às reduções legais, tendem a restringir o acesso dos que passam por dificuldades de caixa. Além disso, considerando a necessidade de adimplência fiscal futura, a escolha da modalidade de parcelamento deve ser vista com absoluta cautela para evitar-se a exclusão do Programa, o que poderá agravar ainda mais a situação do contribuinte. 

É preciso apertar ainda mais os cintos porque Agosto está logo ali.

Carlos Montenegro - Advogado Tributarista




fonte: Carlos Montenegro



AREEIRA JBA anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
zoom
High Society
Arquivo Enviado com Sucesso Agradecemos a visita dos alunos da turma do sétimo ano da Escola Estadual União e Força, que ontem passaram a manhã aprendendo o processo de confecção de um jornal impresso e conhecendo também um pouco da história que cerca os 55 anos de sua existência. A visita é parte do projeto desenvolvido pela escola. Obrigada, estamos sempre a disposição.  Ernani Luiz Ladeia Segatto completou mais um ano de vida, na oportunidade recebeu os parabéns dos familiares e amigos. Que essa data se reproduza por muitos anos são os nossos votos.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados